domingo, 8 de agosto de 2010

Não importa





Poucas letras encontro no chão depois do teu beijo
Beijo bem vindo, Abraço laço, Carinho ninho
Tocar-te levemente como pluma toca ao chão
Fez tudo naquele lugar perder os sentidos
E levou todos os sentimentos ao toque das fontes
da mais pura emoção sem tempo de ter razão.
Irei sempre te encontrar onde tudo se perde, onde perguntas não existem
Onde a razão é apenas tudo que não importa
As duvidas para nada servem
Só lhe digo algo, não posso ficar tenho que ir
Não pergunte o porquê, não se lembre das razões
Elas são ilusões e os por quê discussões
A cada momento que eu te vejo
Será cada segundo eterno e inexplicável
Não me perguntes o por que.
Poucas letras encontrarei sempre depois do teu beijo!
Não me pergunte
Não irei pedi permissão pra fazer-te bem
Deixe sempre a porta entre aberta
Não me pergunte por quê.
Tudo, sempre e simples
Deixarei sempre um sorriso de canto a canto
e o perfume da pele pelo seus ares.

3 comentários:

  1. "Tudo, sempre e simples"
    Belo texto!
    Subjetivo, intenso e de uma sutileza incrível...

    ResponderExcluir
  2. É...O amor não tem explicação!

    Adorei

    ResponderExcluir